sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Projeções para inflação de 2013 pioram e já estão em 5%



As expectativas de longo prazo para a inflação estão piorando mais cedo. Entre 2006 e 2010, segundo levantamento da equipe econômica do Itaú Unibanco com base nas pesquisas do Banco Central, as estimativas feitas para dois anos a frente eram mais consensuais e a mediana sempre ficava próxima de 4,5%, centro da meta de inflação que o Brasil persegue desde 2005. Para 2013, no entanto, já está na conta dos economistas que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passe longe desse patamar e fique em 5%.
As projeções para o ano seguinte já vêm se deteriorando desde 2010. O Itaú observa em relatório que, de 2006 a 2009, as previsões de IPCA para o próximo ano giravam em torno de 4,5%, com exceção de 2008, quando era esperada inflação de 5% para o ano seguinte. Já em março do ano passado, nota a instituição, as expectativas para 2011 se aproximavam de 5% e, agora, consideram que o teto da meta (6,5%) será atingido. Para 2012, já se espera IPCA de 5,5%. Há um ano, a estimativa era de 4,6%.

Como os agentes têm poucas informações sobre a conjuntura econômica em um horizonte de dois anos, é normal que projetem o centro da meta num prazo mais longo em função do compromisso do BC com o regime de metas. Neste ano, no entanto, a redução da Selic em meio ponto percentual, para 12% ao ano, jogou areia nessa suposição e contratou mais inflação para o futuro, explicam analistas consultados pelo Valor.
“Esse movimento é bastante grave, porque reflete a falta de credibilidade do regime de metas”, afirma Thiago Curado, da Tendências Consultoria Integrada. Para ele, não há chance de a convergência ser alcançada durante o governo Dilma, porque a reversão do ciclo de aperto da taxa básica de juros mostra que esse não é mais o objetivo perseguido pelo Comitê de Política Monetária (Copom). O economista também destaca que a própria inércia inflacionária provoca revisões mais pessimistas para o longo prazo. Se, para 2011, a Tendências acredita que o IPCA encerre o ano em 6,6%, o estouro da meta já carrega mais inflação para 2012, e assim por diante.
Segundo o economista-chefe da MB Associados, Sérgio Vale, caso a crise externa, que está no radar do BC, acabe acontecendo, isso não significará que a autoridade monetária acertou, já que um quadro deflacionário no Brasil, em sua opinião, está totalmente descartado. “Uma crise mais profunda faria pela inflação no máximo o que fez em 2008: trazê-la para a meta.”
Além do aparente descompromisso do BC, o analista ressalta que 2013 e 2014 ainda terão inflação forte, porque tudo indica que as políticas monetária e fiscal responderão com mais força do que em 2008, se houver uma recessão global. O economista lembra também que vários componentes do IPCA – sendo o principal deles os serviços, que giram na casa dos 9% em 12 meses – não têm perspectiva de desaceleração. “Na época da crise, caíram apenas cerca de um ponto percentual”, diz. Assim, ficaria apenas para 2015 um possível ajuste do aumento dos preços.

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei.

Número Total de Visitas

Siga por E-mail

Translate

As Mais Vistas da Semana

Sintraf - Sairé

Arquivo do blog

Todos os Direitos Reservados à Washington Carvalho e Grupo UEEPAA de Comunicação. Tecnologia do Blogger.
uery.min.js' type='text/javascript'/>