sábado, 26 de novembro de 2011

Sport é Série A


Uma chuva torrencial parecia por tudo a perder. O goleiro Luís Cetin também. Mas as dificuldades só valorizaram a conquista do Sport, que transformou o dia 26 de novembro de 2011 em data para ser lembrada por vários anos. Um gol chorado de Bruno Mineiro aos 27 minutos do segundo tempo, quando o gramado não permitia nada mais que bola parada, definiu o acesso dos rubro-negros à Série A em 2012. O time chegou aos 61 pontos, ficando com a quarta vaga.

O Sport começou o jogo tentando impor seu ritmo de jogo. Mas tropeçava nas próprias pernas, principalmente nas de Thiaguinho e Renato. A dupla não conseguia se entender na armação das jogadas e errava passes constantemente. A lucidez respondia apenas pelo nome de Marcelinho Paraíba. O veterano deslocava-se, dava opção mas ninguém acompanhava seu raciocínio.

Do lado do Vila Nova, a correria imperava. Como o Sport também não marca muito próximo, os garotos do Tigre tinham espaço para evoluir mas corriam demais e jogavam efetivamente de menos. Aos dez minutos, Wellington Saci fez boa jogada e chutou forte, rasteiro. Willians, completamente impedido, completou para o gol, acertadamente anulado.

Após essa jogada, o jogo caiu vertiginosamente em seu nível técnico. Os dois times pareciam competir quem errava mais. O Sport até mostrava mais posse de bola, mas sem fazer nada de útil. A equipe limitava-se às jogadas de bola parada com Marcelinho. Aos 21 ele bateu de longe e Luís Cetin espalmou.

A essa altura, o Leão já perdera o atacante Roberson. Numa dividida, ele levou a pior e deu lugar a Bruno Mineiro. O sistema de criação do Sport estava tão falho que o recém-ingresso só apareceu após os 30 minutos, num chute fraco, para fora; e numa cabeçada em cima do goleiro. A bola parada voltou a ser perigosa aos 35. Marcelinho bateu falta, a bola quicou e bateu no travessão. E nesse tipo de jogar é que o Sport pressionou o oponente. Marcelinho Paraíba bateu falta aos 38 e o goleiro defendeu.

Depois de uma hibernação, o Vila apareceu com muita contundência. Dois minutos depois, Diego Henrique cruzou para Leandro Cearense, pela segunda vez, aparecer com liberdade no meio da defesa pernambucana. Ele completou e a bola quase escapa das mãos de Magrão, que segurou em cima da linha.

O dilúvio que desabou em Goiânia durante quase todo primeiro tempo cobrou seu preço no segundo. O gramado do Serra Dourada estava completamente encharcado, o que dificultou bastante trocas de passes entre os dois times. O jogo ficou num perde-ganha, com mais passes errados do que na primeira etapa e a bola parando nas poças de lama.

As tentativas resumiam-se a chutões para a área. Antes dos 15 minutos, o técnico Mazola Júnior encerrara o ciclo de substituições. Mizael e Júnior Viçosa entraram nos lugares de Willians e Renato, respectivamente. Thiaguinho foi deslocado do meio para a lateral.

No meio dos estouros, faltas e escanteios, o Sport abriu o placar a muito custo. Aos 27, Marcelinho bateu escanteio e Bruno Mineiro cabeceou para baixo. A bola passou entre as pernas do até então intransponível Luís Cetine e sequer chegou a beijar as redes. O gol foi tão chorado que a bola sequer tocou as redes.

Daí em diante o jogo ficou limitado aos jogadores do Sport darem chutões para frente e os do Vila Nova tentando de qualquer forma chegar ao empate. Com exceção de Júnior Viçosa e Magrão, todos os outros jogadores do Sport viraram zagueiros.

Fonte: NE10
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei.

Número Total de Visitas

Siga por E-mail

Translate

As Mais Vistas da Semana

Sintraf - Sairé

Arquivo do blog

Todos os Direitos Reservados à Washington Carvalho e Grupo UEEPAA de Comunicação. Tecnologia do Blogger.
uery.min.js' type='text/javascript'/>