quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Para falar de Forró: Bate Papo com Xampu Lopes [Banda Aquárius]


Xampu Lopes
(equipe) Como surgiu a banda Aquárius?

(Xampú Lopes) Foi em 1988.Tocava todo tipo de música[banda baile],não era uma banda de forró.

Como Xampu chegou à banda?

Eu fui convidado pelo primeiro guitarrista [Jacinto]. Na hora em que a banda estava tocando ele me chamou para cantar uma música [meu trabalho não era conhecido],subi cantei e o Emanuel Gurgel estava lá. No outro dia ele mandou me chamar, e eu estava na banda.
A banda já tinha gravado?

Sim,já tinha gravado os Engomados do Forró [primeiro LP]

Você entrou no segundo?

Isso,entrei no Asas da Imaginação. Trabalho que fez a banda ganha outros estados, o primeiro que nos abraçou foi Pernambuco.

Foi a Olhinhos de fogueira gravada nesse trabalho que fez sua voz ficar reconhecida?

Essa música ainda hoje é o hino do São João do Brasil, mas Tem Gente foi a canção que marcou minha carreira.

É um hino do forró?

Rapaz,acredita que depois de 15 anos as pessoas ainda pedem nos shows? Uma música hoje dura no máximo 3 meses!

O álbum Tem Gente foi o mais reconhecido?

Foi o mais reconhecido porque além de Tem Gente, teve Fã de Eliane com Chico Lopez que virou hit.

Da para perceber que a música entrou no final do CD, é um ao vivão, sem pretensão.

A Fã de Eliane foi uma brincadeira, a gente era a banda irreverente da SomZoom. Foi gravada na Brisa do Lago e o  Emanuel colocou para completar o disco.

Como foi isso?

O Chico Lopez estava esperando desde as 15h e a banda chegou às 20h [risos] .Ele pediu para entrar no meio do show,a gente nem sabia que estava gravado.

E o "Xampu", saiu de onde?

Foi o Luiz Weber [dono da Zanzibar] que na época tinha um baiano em seu trio com esse nome.O cara foi embora e eu tinha um rastafári igual ao dele, aí ele começou a me chamar de Xampu.

Percebo que o álbum Tem Gente estava bem à frente do seu tempo, como foi a concepção?

Quem conhece esse trabalho percebe que ele tem vários tipos de músicas diferente que foge até do forró,mas isso porque a Aquárius era muito irreverente, humor e forró andavam juntos. Porém não esquecíamos das boas letras de Rita de Cássia,Luiz Fidelis...

Depois veio o Amor Canibal,com a canção que deu título ao álbum e Tudo de Dois, que me parecem pelo estilo da época, teve uma influência dos Mamonas Assassinas?

Na verdade eu cantei a Tudo de Dois pensando no humorista Falcão.As bandas hoje gravam músicas irreverentes,mas não é só gravar: tem que sentir o que a música pede, e eu senti que a música pedia isso.

É incrível sua irreverência, mesmo sendo um trabalho em estúdio você brinca no meio das músicas. Por exemplo na Tudo de Dois você diz: cadê o solo guitarrista... será o Vieira ou o Pepeu. 

Nossa marca era a fazer as coisas com irreverência e naturalidade. É muita difícil passar emoção no estúdio,você está ali sozinho,mas eu imaginava que tinha um monte de gente me ouvindo e eu não estava sozinho.

Quando paro para ouvir minha coleção vejo que vocês foram pioneiros em muita coisa que tá ai hoje, mas de uma forma ingênua sem apelação.

Era bem o nosso estilo a gente não apelava,era tipo um humor para criança. Acho que por isso as crianças gostavam muito de mim.

E o Ao Vivo?

Esse foi o CD que hoje seria de platina [100.000], na época de ouro. Junto com o do Mastruz Ao Vivo I considerado os melhores da SomZoom.

Depois vieram o Triângulo das Calcinhas, Ao Vivo II, Acústico e o Ao Vivo III.

Esses trabalhos não tiveram tanta repercussão como os anteriores,é como diz no futebol: time que está ganhando não se mexe. Se for analisar esses trabalhos citados pareciam outra banda!

Quem mexeu,o Emanuel?

Ele não opinava nesse tipo de coisa... eu percebi as mudanças mas não opinava, minha função era gravar o que mandavam.

Nesse final vou fazer algumas perguntas que todo bom forrozeiro gostaria de fazer.O que aconteceu com a SomZoom ,foi a pirataria?

Quando a pirataria começou o Emanuel Gurgel baixou o preço dos CDs para combater. Acredito que foi os CDs gravados em show, aquele que falo alô pra fulano... que as pessoas começaram a curti.

Onde anda a banda?

Quando Emanuel acabou a banda em 2001,eu falei com o Trigueiro Neto [gerente da SomZoom] para continuar com o nome. De pronto ele intermediou e Emanuel aceitou, comecei do zero. Hoje a banda está sediada em Recife com o Erilson Hermes [o matuto], empresário da Capital do Sol, a quem agradeço por ter dado continuidade ao nosso trabalho e ser  um dos grandes divulgadores do forró das antigas.

E o DVD?

Estamos estudando data e local.

É possível a participação de ex-integrantes.

Sim, sempre tenho contatos com eles, estou estudando junto com o Matuto. Alguns trabalham em outras bandas,outros estão em outras atividades.

Por falar em outras bandas, o que você acha do novo forró?

Acho que tudo na vida se renova,eu respeito o novo forró,o que me deixa triste são as músicas descartáveis. O ponto positivo são as estruturas montadas nos shows que antigamente não existia.

Obrigado e deixe uma mensagem final.

Quero agradecer a você,a todos do Forrodicumforça por divulgar o nosso forró.Agradecer também as pessoas que viveram o movimento forró das Antigas. Um grande abraço!

Alexandre de Caruaru
Fonte: Forró Dicumforça

CDL de Santa Cruz do Capibaribe já oferece a Certidão Digital


A CDL Santa Cruz do Capibaribe já está oferecendo o serviço de Certificação Digital para a cidade e região. O certificado equivale a uma carteira de identidade virtual que permite a identificação de uma pessoa no meio digital eletrônico quando enviando uma mensagem ou em alguma transação pela rede mundial de computadores que necessite validade legal e identificação inequívoca.
Os benefícios do certificado digital são muitos como:
  • Facilidade de assinar contratos diretamente pela internet
  • Manter com segurança arquivos na rede mundial de computadores
  • Realizar transações seguras
  • Requisitar procurações on line
  • Emitir notas fiscais
Para fazer a sua Certificação Digital, você precisa ir até a sede da CDL Santa Cruz do Capibaribe, munido de todos os seus documentos, de acordo com o pedido que a pessoa queira fazer, seja ele pessoa física ou jurídica. A CDL Santa Cruz do Capibaribe já conta com o Agente de Validação Coletora (AVP), onde ele receberá sua documentação em fotocópias e originais e prontamente dá a entrada no certificado digital.
Veja no Quadro abaixo a Documentação (original e cópia) para emitir o Certificado pessoa física e jurídica:


TIM foi notificada e garantiu que vai cumprir


Cinco dias após a decisão do juiz da 2ª Vara da Justiça Federal em Pernambuco, Cláudio Kitner, proibindo a venda de novas linhas da Tim Nordeste no Estado e a realização de portabilidade de outras operadoras, a empresa apresentou um posicionamento oficial acerca do bloqueio. Por meio de uma nota divulgada pela assessoria de Imprensa, foi garantido que o grupo buscará os “procedimentos necessários para dar integral cumprimen­to ao que foi definido judicialmente o mais rapidamente possível”. No entanto, isso não é garantia de que a telefonia não recorrerá da decisão.

Hoje, aproveitando o embalo da decisão positiva em relação à ação pública movida pela Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Pernambuco (OAB-PE), e pela Associação de Defesa da Cidadania e do Consumidor (Adeccon), a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da telefonia móvel, que acontece na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), retoma seus trabalhos. Já no primeiro dia, a empresa Claro foi convocada para ser ouvida.

“Primeiro vamos ouvir as operadoras. A partir daí, queremos saber os argumentos que elas têm para apresentar. Normalmente elas vendem um mundo maravilhoso para o consumidor, mas não cumpre. Então, vamos cobrar delas uma informação precisa dos problemas e, também, soluções”, explicou o presidente da CPI, o deputado estadual Betinho Gomes (PSDB). O calen­dário segue com a Vivo (06/03), Oi (14/03) e Tim (21/03).

Para o deputado, grande parte da responsabilidade do mau serviço é culpa da Agência Nacional de Telecomunicação (Anatel). Ainda no ano passado, foram solicitadas à agência algumas informações sobre a telefonia móvel no Estado. “Mandaram as informações, mas ficou evidente que o trabalho que desenvolvem é insuficiente para garan­tir a qualidade. A equipe técnica é muito restrita e a pres­são que exercem sobre as ope­radoras é muito limitada. Es­sa pouca força da Anatel é um dos fatores para que as operadoras estejam atuando como estão”, concluiu.

Folha de PE e Camocim Online

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Blog Camocim Online Volta as Atividades


É com alegria que comunicamos a reabertura do blog camorim online. Abaixo segue a matéria referente a reabertura do blog.

O que é Bom deve seguir




Não será contraditório, ou insegurança quando se pondera as decisões e nas busca do melhor, reconsidera as possibilidades.

A volta do Camocim Online, o blog que há quatro anos forma e informa Camocim de São Félix e região tem motivos principalmente pelo clamor da audiência, por constatações e pelo estímulo de muitas pessoas que sabem valorizar o trabalho de quem tem algo de bom a oferecer, mesmo que mínimo.

Nesses dias choveram mensagens, contatos pessoais e virtuais questionando-me sobre os motivos de desistir do Blog. Já foram apresentados os motivos. No entanto, em respeito àquilo que estou iniciando na vida Acadêmica e principalmente a sociedade que precisa de veículos que tratem a notícia como deve ser, o Blog está retomando suas atividades com um formato maduro, isento e global.

É como começar do zero, só que acompanhado por uma bagagem.

Seja bem vindo outra vez a este trabalho.

José Batista Neto
Camocim Online Notícias

Inocêncio recebe em audiência quatro prefeitos do interior


inocencio_oliveira_foto_leonardo_pradoComo faz todas as segundas-feiras, o deputado Inocêncio Oliveira recebeu ontem em seu escritório político uma série de líderes políticos do interior.
Um deles foi o prefeito de Iguaracy, Albérico Rocha (PR), onde o grupo do deputado se dividiu.

O prefeito rompeu com o seu antecessor e concunhado, Francisco Dessoles, porque será candidato à reeleição contra a vontade dele, que queria voltar ao poder agora em outubro.

Dessoles ficou sem espaço no PR e se abrigou no PTC por cuja legenda será candidato novamente. Pesquisas feitas na cidade no final do ano o apontam em 1º lugar. Mas, à época, ele ainda não estava rompido com o seu sucessor.
Também passaram pelo escritório político do deputado os prefeitos Francisco Braz (Pedra), Bartolomeu Tiburtino (Mirandiba), Dinho (Belém de Maria) e Nivaldo Júnior (Correntes).


Fonte: Blog de Inaldo Sampaio

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Vice-prefeito de Bezerros diz que quem manda na prefeitura é o marido da prefeita


O vice-prefeito de Bezerros, Dr. Carlinhos (PCdoB), esteve recentente no programa Microfone Aberto, veiculado de segunda a sábado na Rádio Liberdade FM. O comunista esclareceu aos ouvintes os motivos que levaram ao rompimento dele com a prefeita Bete de Dael (PR). De acordo com o político, durante os mais de três anos de governo de Bete, ele só esteve na sede da prefeitura no dia 5 de janeiro de 2009, no início da gestão.
O vice-prefeito está rompido com Bete de Dael
desde o início da gestão
Ele disse ainda que contribuiu para a eleição de Bete, mas que nunca teve o reconhecimento da mesma. “Trabalhamos muito, fomos de casa em casa e pedimos voto para a prefeita, eu sempre acreditei que ela, por ser a primeira mulher prefeita na cidade ia corresponder as expectativas do povo e infelizmente, no decorrer do processo, começamos a perceber que algumas situações não estavam acontecendo da maneira que a gente pensava, não aceitei que a minha participação no governo fosse apenas para substituir a prefeita na sua ausência, afinal de contas eu queria ter uma participação efetiva, tenho influência com deputados, secretários de governo e ministros do meu partido e esperava contribuir de alguma forma”, disse.
Ele foi mais além nas críticas e disse que a crise com a prefeita teve início após o veto de dois projetos. Um que iriam beneficiar os esportistas, com a construção de um campo de futebol e outro, seria a pavimentação da estrada que liga o distrito de Sapucarana a BR 232. Segundo ele, a prefeitta recusou cerca de 5 milhões de reais com os dois vetos, por acreditar que os projetos iriam beneficiar a ele e ao ex-prefeito Marcone Borba (PT), já que uma das verbas era da cota do deputado federal Pedro Eugênio (PT), aliado de Marconi. Ainda de acordo com Dr. Carlinhos, o marido da prefeita é quem realmente manda na prefeitura. “Um dos erros dela (Bete) foi encher a prefeitura de gente da família. A secretária de Ação Social é a filha, a secretária de Turismo é a sobrinha e o pior de tudo, quem manda na prefeitura é o marido dela. A população deve olhar pra isso, a prefeita deve trabalhar pelo bem comum e não em benefício próprio”, queixou-se.
O comunista ainda acusou a prefeita de promover a centralização do poder e disse que a gestão seguem sem rumo. “Além de designar poderes para o marido, o que não está previsto, existe uma grande centralização de poder. Nas oito secretarias de Bezerros, em pouco mais de três anos já passaram mais de 40 secretários, só na saúde foram seis. No dia 5 de janeiro, cheguei na prefeitura e perguntei a prefeita onde iria trabalhar. O marido dela me pegou pelo braço e disse: ‘vá embora que você nunca deu dinheiro para a campanha, então eu não quero você aqui dentro’, o secretário de governo, seu Lima, estava na hora e testemunhou o caso. Diante disso, aluguei um escritório e pago tudo com o meu dinheiro”, esbravejou.
O Dr. Carlinhos vai enfrentar Bete de Dael nas urnas, além dele devem se candidatar o ex-prefeito Marcone Borba e o ex-conselheiro do TCE, Severino Otávio, o Branquinho. Existe ainda a possibilidade de uma aliança entre Dr. Carlinhos e Marcone, mas ambos ainda devem sentar para uma conversa.
Fonte: Blog do Mário Flávio

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros


Bem, jornalista 100% formado ainda não sou, mas já conclui mais que 50% do curso e ano que vem estarei concluindo-o. Mesmo assim somos o blog que tem mais capacidade no que diz respeito a profissão de jornalista até por que cinco integrantes de nosso blog são estudantes de jornalismo, coisa que não acontece com nenhum outro blog do município.

Como pré-jornalistas, nossa equipe desde cedo sempre respeitou e colocou em pratica o Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros. Aí aparece um novo blog tentando indiretamente nos atacar com a seguinte perola. "/NOTA DE ESCLARECIMENTO/ Gostaria de informar aos nossos internautas e leitores desse blog, que nós que fazemos parte desse veículo de comunicação de nossa querida Sairé somos bem diferentes de alguns outros blogs de nossa cidade que falam principalmente em política, e críticas que muitas vezes não são construtivas e que em sua maioria passam a violar o respeito dos cidadãos" Sairé na Net. 

E o que tenho para falar é :

1º Se vocês acham que as minhas  críticas muitas vezes não são construtivas e que em sua maioria passam a violar o respeito dos cidadãos, isso é muito fácil de resolver, já na justiça e me processe.

2º Se eu critico é porque estou embasado com provas, todas as matérias e artigos mais polêmicos já divulgados em meu blog só foram postadas por que eu tenho provas suficientes para posta-las.

Abaixo segue o Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros, como falei se eu estiver em desacordo com este, sintam-se convidados a me processar.

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros

Capítulo I - Do direito à informação


Art. 1º O Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros tem como base o direito fundamental do cidadão à informação, que abrange seu o direito de informar, de ser informado e de ter acesso à informação.


Art. 2º Como o acesso à informação de relevante interesse público é um direito fundamental, os jornalistas não podem admitir que ele seja impedido por nenhum tipo de interesse, razão por que:


I - a divulgação da informação precisa e correta é dever dos meios de comunicação e deve ser cumprida independentemente de sua natureza jurídica - se pública, estatal ou privada - e da linha política de seus proprietários e/ou diretores.


II - a produção e a divulgação da informação devem se pautar pela veracidade dos fatos e ter por finalidade o interesse público;


III - a liberdade de imprensa, direito e pressuposto do exercício do jornalismo, implica compromisso com a responsabilidade social inerente à profissão;


IV - a prestação de informações pelas organizações públicas e privadas, incluindo as não-governamentais, é uma obrigação social.


V - a obstrução direta ou indireta à livre divulgação da informação, a aplicação de censura e a indução à autocensura são delitos contra a sociedade, devendo ser denunciadas à comissão de ética competente, garantido o sigilo do denunciante.


Capítulo II - Da conduta profissional do jornalista


Art. 3º O exercício da profissão de jornalista é uma atividade de natureza social, estando sempre subordinado ao presente Código de Ética.


Art. 4º O compromisso fundamental do jornalista é com a verdade no relato dos fatos, razão pela qual ele deve pautar seu trabalho pela precisa apuração e pela sua correta divulgação.


Art. 5º É direito do jornalista resguardar o sigilo da fonte.


Art. 6º É dever do jornalista:


I - opor-se ao arbítrio, ao autoritarismo e à opressão, bem como defender os princípios expressos na Declaração Universal dos Direitos Humanos;


II - divulgar os fatos e as informações de interesse público;


III - lutar pela liberdade de pensamento e de expressão;


IV - defender o livre exercício da profissão;


V - valorizar, honrar e dignificar a profissão;


VI - não colocar em risco a integridade das fontes e dos profissionais com quem trabalha;


VII - combater e denunciar todas as formas de corrupção, em especial quando exercidas com o objetivo de controlar a informação;


VIII - respeitar o direito à intimidade, à privacidade, à honra e à imagem do cidadão;


IX - respeitar o direito autoral e intelectual do jornalista em todas as suas formas;


X - defender os princípios constitucionais e legais, base do estado democrático de direito;


XI - defender os direitos do cidadão, contribuindo para a promoção das garantias individuais e coletivas, em especial as das crianças, dos adolescentes, das mulheres, dos idosos, dos negros e das minorias;


XII - respeitar as entidades representativas e democráticas da categoria;


XIII - denunciar as práticas de assédio moral no trabalho às autoridades e, quando for o caso, à comissão de ética competente;


XIV - combater a prática de perseguição ou discriminação por motivos sociais, econômicos, políticos, religiosos, de gênero, raciais, de orientação sexual, condição física ou mental, ou de qualquer outra natureza.


Art. 7º O jornalista não pode:


I - aceitar ou oferecer trabalho remunerado em desacordo com o piso salarial, a carga horária legal ou tabela fixada por sua entidade de classe, nem contribuir ativa ou passivamente para a precarização das condições de trabalho;


II - submeter-se a diretrizes contrárias à precisa apuração dos acontecimentos e à correta divulgação da informação;


III - impedir a manifestação de opiniões divergentes ou o livre debate de idéias;


IV - expor pessoas ameaçadas, exploradas ou sob risco de vida, sendo vedada a sua identificação, mesmo que parcial, pela voz, traços físicos, indicação de locais de trabalho ou residência, ou quaisquer outros sinais;


V - usar o jornalismo para incitar a violência, a intolerância, o arbítrio e o crime;


VI - realizar cobertura jornalística para o meio de comunicação em que trabalha sobre organizações públicas, privadas ou não-governamentais, da qual seja assessor, empregado, prestador de serviço ou proprietário, nem utilizar o referido veículo para defender os interesses dessas instituições ou de autoridades a elas relacionadas;


VII - permitir o exercício da profissão por pessoas não-habilitadas;


VIII - assumir a responsabilidade por publicações, imagens e textos de cuja produção não tenha participado;


IX - valer-se da condição de jornalista para obter vantagens pessoais.


Capítulo III - Da responsabilidade profissional do jornalista


Art. 8º O jornalista é responsável por toda a informação que divulga, desde que seu trabalho não tenha sido alterado por terceiros, caso em que a responsabilidade pela alteração será de seu autor.


Art 9º A presunção de inocência é um dos fundamentos da atividade jornalística.


Art. 10. A opinião manifestada em meios de informação deve ser exercida com responsabilidade.


Art. 11. O jornalista não pode divulgar informações:


I - visando o interesse pessoal ou buscando vantagem econômica;


II - de caráter mórbido, sensacionalista ou contrário aos valores humanos, especialmente em cobertura de crimes e acidentes;


III - obtidas de maneira inadequada, por exemplo, com o uso de identidades falsas, câmeras escondidas ou microfones ocultos, salvo em casos de incontestável interesse público e quando esgotadas todas as outras possibilidades de apuração;


Art. 12. O jornalista deve:


I - ressalvadas as especificidades da assessoria de imprensa, ouvir sempre, antes da divulgação dos fatos, o maior número de pessoas e instituições envolvidas em uma cobertura jornalística, principalmente aquelas que são objeto de acusações não suficientemente demonstradas ou verificadas;


II - buscar provas que fundamentem as informações de interesse público;


III - tratar com respeito todas as pessoas mencionadas nas informações que divulgar;


IV - informar claramente à sociedade quando suas matérias tiverem caráter publicitário ou decorrerem de patrocínios ou promoções;


V - rejeitar alterações nas imagens captadas que deturpem a realidade, sempre informando ao público o eventual uso de recursos de fotomontagem, edição de imagem, reconstituição de áudio ou quaisquer outras manipulações;


VI - promover a retificação das informações que se revelem falsas ou inexatas e defender o direito de resposta às pessoas ou organizações envolvidas ou mencionadas em matérias de sua autoria ou por cuja publicação foi o responsável;


VII - defender a soberania nacional em seus aspectos político, econômico, social e cultural;


VIII - preservar a língua e a cultura do Brasil, respeitando a diversidade e as identidades culturais;


IX - manter relações de respeito e solidariedade no ambiente de trabalho;


X - prestar solidariedade aos colegas que sofrem perseguição ou agressão em conseqüência de sua atividade profissional.


Capítulo IV - Das relações profissionais


Art. 13. A cláusula de consciência é um direito do jornalista, podendo o profissional se recusar a executar quaisquer tarefas em desacordo com os princípios deste Código de Ética ou que agridam as suas convicções.


Parágrafo único. Esta disposição não pode ser usada como argumento, motivo ou desculpa para que o jornalista deixe de ouvir pessoas com opiniões divergentes das suas.


Art. 14. O jornalista não deve:


I - acumular funções jornalísticas ou obrigar outro profissional a fazê-lo, quando isso implicar substituição ou supressão de cargos na mesma empresa. Quando, por razões justificadas, vier a exercer mais de uma função na mesma empresa, o jornalista deve receber a remuneração correspondente ao trabalho extra;


II - ameaçar, intimidar ou praticar assédio moral e/ou sexual contra outro profissional, devendo denunciar tais práticas à comissão de ética competente;


III - criar empecilho à legítima e democrática organização da categoria.


Capítulo V - Da aplicação do Código de Ética e disposições finais


Art. 15. As transgressões ao presente Código de Ética serão apuradas, apreciadas e julgadas pelas comissões de ética dos sindicatos e, em segunda instância, pela Comissão Nacional de Ética.


§ 1º As referidas comissões serão constituídas por cinco membros.


§ 2º As comissões de ética são órgãos independentes, eleitas por voto direto, secreto e universal dos jornalistas. Serão escolhidas junto com as direções dos sindicatos e da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), respectivamente. Terão mandatos coincidentes, porém serão votadas em processo separado e não possuirão vínculo com os cargos daquelas diretorias.


§ 3º A Comissão Nacional de Ética será responsável pela elaboração de seu regimento interno e, ouvidos os sindicatos, do regimento interno das comissões de ética dos sindicatos.
Art. 16. Compete à Comissão Nacional de Ética:


I - julgar, em segunda e última instância, os recursos contra decisões de competência das comissões de ética dos sindicatos;


II - tomar iniciativa referente a questões de âmbito nacional que firam a ética jornalística;


III - fazer denúncias públicas sobre casos de desrespeito aos princípios deste Código;


IV - receber representação de competência da primeira instância quando ali houver incompatibilidade ou impedimento legal e em casos especiais definidos no Regimento Interno;


V - processar e julgar, originariamente, denúncias de transgressão ao Código de Ética cometidas por jornalistas integrantes da diretoria e do Conselho Fiscal da FENAJ, da Comissão Nacional de Ética e das comissões de ética dos sindicatos;


VI - recomendar à diretoria da FENAJ o encaminhamento ao Ministério Público dos casos em que a violação ao Código de Ética também possa configurar crime, contravenção ou dano à categoria ou à coletividade.


Art. 17. Os jornalistas que descumprirem o presente Código de Ética estão sujeitos às penalidades de observação, advertência, suspensão e exclusão do quadro social do sindicato e à publicação da decisão da comissão de ética em veículo de ampla circulação.


Parágrafo único - Os não-filiados aos sindicatos de jornalistas estão sujeitos às penalidades de observação, advertência, impedimento temporário e impedimento definitivo de ingresso no quadro social do sindicato e à publicação da decisão da comissão de ética em veículo de ampla circulação.


Art. 18. O exercício da representação de modo abusivo, temerário, de má-fé, com notória intenção de prejudicar o representado, sujeita o autor à advertência pública e às punições previstas neste Código, sem prejuízo da remessa do caso ao Ministério Público.


Art. 19. Qualquer modificação neste Código só poderá ser feita em congresso nacional de jornalistas mediante proposta subscrita por, no mínimo, dez delegações representantes de sindicatos de jornalistas.


Vitória, 04 de agosto de 2007.


Federação Nacional dos Jornalistas

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Classificação Campeonato Pernambucano 2012 12ª Rodada


12ª Rodada

CLASSIFICAÇÃOPJVEDGPGCSG%
1
Salgueiro-PE
28
12
9
1
2
24
9
15
77.8
2
Náutico
25
12
8
1
3
23
13
10
69.4
3
Sport
24
12
7
3
2
22
14
8
66.7
4
Petrolina
21
12
6
3
3
12
13
-1
58.3
5
Santa Cruz
20
12
6
2
4
22
15
7
55.6
6
Ypiranga-PE
16
12
5
1
6
11
19
-8
44.4
7
Belo Jardim
15
12
5
0
7
12
19
-7
41.7
8
Porto-PE
14
12
4
2
6
15
19
-4
38.9
9
Serra Talhada
13
12
4
1
7
17
17
0
36.1
10
Central
13
12
3
4
5
14
13
1
36.1
11
Araripina
12
12
2
6
4
12
13
-1
33.3
12
América-PE
2
12
0
2
10
5
25
-20
5.6


As equipes da primeira a quarta colocação seguem para a segunda fase (mata, mata), as duas ultimas serão rebaixadas para a série B.


Confira os resultados dos jogos da 12ª rodada:

Porto 0x1 Salgueiro

Santa Cruz 6X0 Petrolina

Central 1X1 Sport

Ypiranga 2x0 America

Araripina 1X1 Serra Talhada

Náutico 3X1 Belo Jardim
Postagens mais recentes Postagens mais antigas Página inicial

Número Total de Visitas

Siga por E-mail

Translate

As Mais Vistas da Semana

Sintraf - Sairé

Arquivo do blog

Todos os Direitos Reservados à Washington Carvalho e Grupo UEEPAA de Comunicação. Tecnologia do Blogger.
uery.min.js' type='text/javascript'/>